24 de Julho de 2019

CIDADES Quinta-feira, 11 de Julho de 2019, 19h:20 - A | A

Desenvolvimento

Audiência mostra união de forças políticas e empresariais na luta pela ferrovia em Cuiabá

EDUARDO RICCI

FABLICIO RODRIGUES / ALMT

image

A luta para trazer o trem a Cuiabá deu mais um passo importante a partir da audiência pública realizada na segunda-feira (8), na sede da Federação das Indústrias (Fiemt), em Cuiabá. A avaliação é do deputado estadual Carlos Avallone (PSDB), autor do requerimento e que presidiu a audiência pública realizada em parceria com o Senado Federal, através do senador Wellington Fagundes (PL).

"A expansão da ferrovia até Cuiabá já deixou de ser uma possibilidade e é hoje uma perspectiva concreta. Mato Grosso tem vários projetos de ferrovias, mas apenas um pode vir para Cuiabá: a ferrovia senador Vicente Vuolo, que já está em Rondonópolis. Por isso, a classe política e o setor produtivo estão unidos nesta luta e pedimos aos representantes do governo federal, presentes na audiência, um olhar especial para esta ferrovia", justificou o deputado.

Para Avallone, a construção da ferrovia significará impacto positivo na geração de empregos. “A implantação do terminal rodoferroviário em Rondonópolis gerou mais de 4 mil empregos diretos e milhares indiretos. Trazer o terminal para Cuiabá significa desenvolvimento, aquecimento de vários setores da economia e mais empregos para todos. Por isso estamos lutando com a bancada federal, com os setores produtivos e o Fórum Pró-ferrovia, colocando toda a nossa força política para concretizar este sonho que hoje é de toda a comunidade”.

Durante a audiência, a Rumo Logística confirmou a determinação de estender os trilhos até Cuiabá e posteriormente  à região médio-norte até Sorriso, pois já foi comprovada a viabilidade técnica e econômica da ferrovia. Um estudo da Brado, subsidiária da Rumo especializada no transporte de contêineres, aponta que existe uma demanda reprimida para o transporte de 20 milhões de toneladas/ano de produtos que virão em contêineres pela ferrovia até Cuiabá. Os trens que saem carregados de grãos de Mato Grosso vão retornar de São Paulo com produtos industrializados, o que justifica economicamente a extensão dos trilhos para a Baixada Cuiabana.

Recursos - O diretor de Relações Institucionais da Rumo, Guilherme Penin, garantiu que os recursos – em torno de R$ 4 bilhões para o trecho até Cuiabá – já estão sendo captados no mercado internacional e não dependem de financiamentos públicos. Após a autorização para a extensão da concessão até Cuiabá, a obra pode ser feita num prazo de três anos. No total serão investidos R$ 7 bilhões em 600 km de ferrovia, além do terminal de cargas que será instalado na Baixada Cuiabana.

O deputado Carlos Avallone destacou a presença do Secretário Nacional de Transportes Terrestres do Ministério da Infraestrutura, general Jamil Megid, que confirmou a disposição do governo federal em destravar as questões burocráticas para que a ferrovia se torne realidade em Cuiabá. "O secretário nacional se colocou à disposição de Mato Grosso para contribuir na superação dos entraves legais. E o diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), David Barreto, disse que vai colocar uma equipe técnica do órgão para agilizar os estudos para que a ferrovia se torne realidade no menor tempo possível”.

Participaram também da audiência, representando o governo federal, o diretor do Departamento de Transportes Ferroviários do Ministério dos Transportes, Ismael Trinks, o superintendente de Infraestrutura de Serviços de Transportes Ferroviários da ANTT, Alexandre Porto, e o secretário de Controle Externo do Tribunal de Contas da União em Mato Grosso, René Oliveira Júnior.

Imprimir


Comentários