24 de Julho de 2019

CULTURA Sexta-feira, 12 de Julho de 2019, 08h:47 - A | A

Literatura

Livro que conta a história de 20 pantaneiros é lançado na Festa Literária Internacional de Paraty

Da Redação - Isabela Mercuri - Olhar Conceito

Foto divulgação

image

O livro "No pulso das águas", da escritora Carla Águas, será lançado nesta quinta-feira (11) na 17ª Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), uma das maiores do país. A obra conta a história de vinte pantaneiros, tem 317 páginas e 185 fotos, e foi organizado por Maria Teresa Carrión Carracedo, da Editora Entrelinhas.

As histórias perpassam também a trajetória do polo socioambiental Sesc Pantanal. Uma delas é do seu João da Silva, que há 20 anos deixou de amansar cavalos e conduzir gado bravo para cuidar de borboletas do Hotel Sesc Porto Cercado. Hoje, ele é conhecido como ‘João do Borboletário’.

João chorou a primeira vez que viu o processo de metamorfose de uma borboleta chegar ao fim, que começa com o ovo, passa para a lagarta até chegar a crisálida, última etapa antes delas baterem as asas. "Eu fiquei tão impressionado que cheguei a chorar na hora. Aquilo tocou muito em mim. Mudei também em casa, com a esposa e filhos. Soube ter mais amor e respeito com eles. Acho que a borboleta trouxe isso para mim por causa da sensibilidade, do carinho que precisava ter com elas. Esse carinho que elas mostraram que eu precisava ter foi a mudança que eu tive para ser mais leve, mais tranquilo", disse à escritora.
 
Além das histórias, o livro relata também a formação do Pantanal, reconhecido como Patrimônio Nacional pela Constituição Federal e considerado Reserva da Biosfera e Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco.
 
A diversidade de fauna e flora é apresentada nas páginas que destacam, ainda, a importância da porção norte, em Mato Grosso, considerada vital para as demais áreas do sistema devido ao fato de abrigar os afluentes da maior planície inundável do mundo. Também é apresentada a mudança das águas e as demonstrações culturais, como a Dança dos Mascarados, o Cururu e Siriri, as festas de santos e a Cavalhada.

O Parque Sesc Serra Azul, localizado em Rosário Oeste, na transição entre o Cerrado e a Amazônia, também é citado no livro por estar interligado ao projeto de conservação do Pantanal, ao ajudar a proteger o rio Cuiabazinho, um dos rios que formam o Cuiabá, que inunda o Pantanal.
 
Segundo a escritora, um dos diferenciais de sua iniciativa foi a possibilidade ouvir as histórias dos personagens. "Pela minha experiência, quando nos propomos a exercer a escuta diante da diversidade das vidas, nos surpreendemos por encontrar uma enorme riqueza e essa riqueza é o ponto forte do livro, que reúne vidas e trajetórias interessantes".

Imprimir


Comentários